RÁDIO AO VIVO
Programa
RESUMO DO DIA NOTÍCIA E MÚSICA
Ouça tambem:

Derrame é agravado por excesso de trabalho em 35% dos casos, segundo OMS

Compartilhar: FACEBOOK TWITTER WHATSAPP
terça, 18/05/2021 as 08:30
Foto: Reprodução

Trabalhar demais pode matar ou agravar risco de AVC ou doenças cardíacas.

Estudo da Organização Mundial da Saúde (OMS) aponta que 35% das mortes por acidente vascular cerebral estão associadas a situações de estresse provocado por carga excessiva de trabalho, com jornadas superiores a 55 horas semanais.

Em 17% dos casos de óbitos decorrentes por doenças cardíacas, existe uma correlação com a longa jornada de trabalho. Os números representam as mais de 745 mil mortes em 2016, que tiveram aumento de 20% desde o ano 2.000.

A tendência atual é que o índice seja incrementado pelas mortes por Covid-19 e pelo trabalho remoto.

A pesquisa, realiza em parceria com a Organização Internacional do Trabalho, reúne dados de 190 países no período citado.

Os riscos relacionados ao período de trabalho levam em conta a comparação com casos registrados entre profissionais que atuam em jornadas normais, entre 35 e 40 horas semanais.

Ao todo, foram avaliados 4 mil e 66 pessoas em períodos diversos.

Quase 9% da população global está no grupo dos que trabalham mais de 55 horas semanais. São 488 milhões de trabalhadores no mundo a uma carga exaustiva.

A maior parte das mortes – 72% – ocorre entre homens.

A faixa etária concentra maior número de óbitos de 60 a 79 anos, principalmente entre os que exerceram grandes cargas de trabalho na idade de 45 a 74 anos.

A pesquisa apontou que o home office contribui com esse processo, com demandas de tarefas profissionais e domésticas que se misturam e aumentam a carga horária para o trabalhador.

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, alertou que governos, empregadores e trabalhadores devem chegar a um meio termo com limites para proteger a saúde de quem trabalha.

Deixe seu comentário


+ SAÚDE








+ Brasil